Trabalhadores terceirizados protestam e querem seus empregos de volta.

 

Seguranças

Esta manhã de Quarta-feira (06) estiveram reunidos no Colégio Polivalente de Conceição do Coité, mais de 100 trabalhadores terceirizados que tiveram seus contratos suspensos pelo governo do estado. Representantes dos sindicatos dos trabalhadores terceirizados vão fazer protestos para ver se o prefeito municipal de Coité tome conhecimento da situação  no sentido de que ele possa tomar providencias para resolver esta situação em Coité, toda as escolas estão sem segurança e funcionários de limpeza.

Para um dos trabalhadores terceirizados que não quis se identificar, para não sofrer represálias, disse que esta não foi à proposta dos Partidos dos Trabalhadores (PT), quando se elegerem, prometeram mais empregos para o povo, e agora estão demitindo pais de famílias, e colocando-os na rua da amargura.

Devendo três meses de salários atrasados, LOCSERV de Serviços e Empreendimentos LTDA, demitiu os trabalhadores, que não sabem quem vai arcar com os salários atrasados. A empresa acusa o governo da Bahia de não repassar os valores. Já o governo afirma que já pagou a empresa.

Nesse jogo de empurra que já duram três meses, os trabalhadores não sabem mais a quem recorrer.

No dia 20 de março, o Governo da Bahia chegou a soltar nota sobre o entendimento com Representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza do Estado da Bahia (Sindilimp), para acompanhamento dos pagamentos aos trabalhadores terceirizados das escolas estaduais, pelas empresas contratadas. Na oportunidade, também foram discutidas as estratégias para garantir o cumprimento dos contratos pelas empresas.

Mais de 850 mil estudantes da rede estadual, estarão de volta ás aulas na próxima segunda-feira (9), e se até lá a situação não for resolvida certamente vão encontrar algo diferente em suas escolas, sem segurança e sem funcionários de apoio os chamados terceirizados.

O governador Rui Costa se reuniu esta semana com equipe da Secretaria da Educação, para reavaliar todos os contratos de terceirizados e redefinir novos modelos de contratação no Estado. “Em relação à terceirização, eu não estou satisfeito com a prestação de serviço, com a forma e o volume de contratações. Durante a reunião, tomei uma série de decisões para garantir novas licitações e um novo formato de contratação de serviços para a área da educação. Os novos editais devem sair no máximo em duas semanas”, adiantou Rui.

De acordo com o governador, ao invés de cada pasta ter um contrato de vigilância, de limpeza e outras áreas, o Centro Administrativo da Bahia (CAB) terá contratos unificados na Secretaria da Administração (Saeb), para atender todas as secretarias e órgãos. “Farei uma grande mudança nessa área de contratação de terceirizados. O formato atual não interessa aos trabalhadores, não interessa à população, porque custa caro, penaliza o serviço e fica extremamente oneroso para o Estado”.

Outros encontros serão realizados pelo governador, por grupo de secretarias, com a presença da Procuradoria Geral do Estado (PGE), e dos secretários da Administração, Edelvino Góes, e da Fazenda, Manoel Vitório. O objetivo é analisar contrato por contrato.

Construção da Matéria, garimpagem de textos em vários sites, e complemento local (Coité) Foto e texto Mário Silva.