Prefeito e vice de Conceição do Coité são cassados pelo TRE-BA numa votação de 5 a 2.

O Tribunal Regional Eleitoral – TRE-BA, em sessão plenária na tarde desta segunda-feira, 23, decidiu pela cassação do mandato do prefeito de Conceição do Coité, Francisco Assis (PT) e da sua vice Genivalda Pinto (PSD) popularmente conhecida por Val de Alex, cuja chapa é acusada pela Coligação A Voz do Povo que na eleição de 2016 foi encabeçada por Vertinho e Renato por compra de votos.

Foto histórica logo após o resultado da eleição (2016) oposição foi protestar em frente ao fórum.

O processo esteve em pauta nos últimos dois meses no TRE e de lá para cá ocorreram três pedidos de vistas e um adiamento do julgamento.

A votação pela cassação de Assis e Val foi de cinco desembargadores a favor contra dois que contrários.

Apesar da decisão ainda cabe recurso ao TRE e o prefeito recém-cassado continua frente à administração do Município, porque foi acatado parcialmente o pedido de cassação pela maioria dos desembargadores, sem afastamento de imediato e a cassação só poderá ocorrer em definitivo após o transitado em julgado.

Depois dos tramites legais do prazo, o tribunal voltará a se reunir para determinar ou não a realização de novas eleições em Conceição do Coité. Como manda a jurisprudência o atual prefeito de Coité, que já é réu, e seus direitos políticos estão cassados.

Após o resultado do TRE-BA, ouviu-se um intenso foguetório por toda a cidade, muitos correligionários opositores ao prefeito do PT, dirigiram-se ao centro da cidade eufóricos e com esperanças de mudanças da atual gestão.

Relembrando a história, todas as pesquisas de opinião davam vitoria para coligação “voz do povo”, mas, porém, nos 15 dias que antecederam a eleição notou-se uma monstruosa articulação, e com inicio de muitas obras espalhadas por todo o município com o apoio do Governo do Estado. Inclusive uma obra que chamou a atenção foi à rapidez com que foi concluído o asfaltamento da rua principal do distrito de Salgadália. Famílias opositoras tradicionais cujas casas postavam cartazes da coligação do Vertinho, repentinamente mudavam e colavam a do atual prefeito. Muita coisa rolou até o dia da eleição, um ato vergonhoso de abuso de poder econômico e compra de votos, conforme podemos afirmar depois da condenação de cassação determinada pelo TRE-BA.

Mário Silva/ redação