fbpx

No encontro do Grupo de Lima, Mourão defende eleições na Venezuela

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, defendeu nesta 2ª feira (25.fev.2019) a realização de novas eleições na Venezuela. O número 2 do governo brasileiro falou no encontro do Grupo de Lima. Ele descartou uma intervenção militar no país vizinho.

Mourão disse que o governo de Nicolás Maduro “é uma ameaça que deve ser combatida por meio de eleições gerais”. Em seu perfil no Twitter, o vice-presidente defendeu uma solução de maneira pacífica.

A exemplo do vice-presidente dos EUA, Mike Pence, defendeu sanções à Venezuela. Falou, sem detalhar, em “sanções que devem incidir de forma legal e legítima, remetendo-os à categoria de párias internacionais”.

Mourão acrescentou que o país venezuelano “deve voltar ao convívio democrático das Américas” e chamou atenção para a ameaça que representa o regime chavista e de “crimes transnacionais” da cúpula.

Ainda afirmou que Maduro “desconfigura o legado de Simón Bolívar”, militar e líder político venezuelano que apoiava a descolonização –tido como 1 “libertador” da América. Segundo o vice, é necessário trazer para a Venezuela, país rico de recursos e talentos, 1 regresso da prosperidade.

É necessário, de acordo com o vice-presidente brasileiro, “oferecer o exemplo afortunado de uma ação conjunta, equilibrada e consistente como inspiração para superar a crise da Venezuela”, completou.