fbpx

Depois de 10 anos a prefeitura de Coité anuncia a realização do COITEFOLIA.

A micareta de Conceição do Coité “COITÉFOLIA”, já foi considerada uma das melhores da Bahia. O último Coité Folia, foi realizado de 13 a 15 de maio de 2011 (10 anos- 2012 a 2021), na administração de Renato Souza, e foi uma das melhores festas realizadas com a participação de grandes atrações da música baiana.  A estrutura da festa  agradou a centenas de foliões de toda a região sinaleira. Em 2012 Conceição do Coité vinha sofrendo com a seca, o prefeito Renato resolveu não fazer a Micareta.  Nos anos seguintes, o tribunal pune o Ex-prefeito Renato acusando de não ter realizado a festa, uma das injustiças que sempre ocorre na justiça.

Relembrando em nossa história, em 2011 o “BLOCO DA PAZ” com a banda Manto Azul da Igreja Católica  bateu o recorde de  integrantes, deu um toque de paz na avenida comandada pelo padre Charles. O vocalista André (ex-Fabilú), com ritmos de pagode e axé transformou as letras das músicas exaltando o nome de Deus e mensagens de Paz e esperança. Foi Lindo.

 

 

A musa do axé que tem historia no carnaval de Salvador com o Cheiro de Amor, Márcia Freire, colocou mais “Adrenalina”, contagiando toda a avenida do Coitefolia que parou para assistir a furacão passar. E ao passar em frente ao camarote oficial, cantou a tão esperada música símbolo eterno do grupo político que governa Coité há quatro décadas “Vermelhôoooo”.

Quig Ghetto e Nana Chica (Rodriguinho cantou a música de sua autoria “Patricinha”) passaram logo a seguir levando a multidão atrás do Trio elétrico.

Todas as micaretas o Jornal O SERTÃO participava com sua equipe na cobertura da festa, que eram publicadas no jornal impresso e no site www.osertao.com, e, tínhamos total apoio dos prefeitos. Este ano (2022), já se anuncia a realização da Micareta “COITEFOLIA” para ser realizada entre 8 a 10 de setembro, que foi uma promessa de campanha do grupo “vermelhos” que venceu as eleições em 2020. Em 2021 não houve a festa por decorrência da Pandemia.

Mas os tempos mudam, o jornal O SERTÃO não tem mais o apoio da prefeitura para fazer a cobertura com sua equipe de repórteres. Mas, iremos fazer nossas tomadinhas discretas, afinal a festa é aberta a todos, “Vermelhos, azuis, Brancos…” enfim, a festa é do povo e o dinheiro gasto pela administração local é retirado dos impostos pagos por cada cidadão coiteense.

Sim, os tempos mudam, estamos no auge do “fank”, confesso que não tenho mais o pique de 10 anos atrás, mas, teremos centenas de repórteres com seus celulares registrando cada momento para serem publicados nos vários perfis das redes sociais. Mas, cuidado, também vai estar presente centenas de ladrões de celulares.

Era um tempo em que eu mais trabalhava, e quando eu passava com minha máquina fotográfica, todos queriam tiram uma foto para ser publicado no jornal. Mas eu trabalhava mas também curtia tomando umas “louras suadas” rs.  Fiz  a minha parte na história.

Voltando um pouco o passado, a festa “COITEFOLIA” antes era chamada de “Micareme” palavra de origem francesa ocorria no meio da quaresma. Em Coité, era realizado logo após a queima do Judas. Mas, nos anos 80 com a intervenção da igreja Católica, acabou com a festa, tendo o seu nome mudado para “Micareta”, para ser realizado depois da quaresma. Também esbarrou com outro problema, a mesma data que era realizada na cidade de Feira de Santana. Mudou de data para 8 de maio, mas, a CDL local realizou um movimento e conseguiu mudar a data de novo por coincidir com a comemoração do dia das mães.

Relembrando uma das Belíssimas “Micaremes” em 1978, Trio elétrico Marabá Administração do Saudoso Valter Ramos Guimarães.

Voltaremos a publicar outros artigos relembrando as Micaretas de Coité.

Mario Silva do Sertão.