Bahia e Vitória se dão bem na rodada e deixam a zona de rebaixamento.

O Vitória foi até Belo Horizonte e manteve a escrita de não perder fora de casa na era Mancini. Mais que isso, venceu a quarta partida como visitante sob o comando do treinador e saiu da zona de rebaixamento. A vítima da vez foi o Atlético Mineiro. O Leão não tomou conhecimento da pressão no Independência e venceu por 3×1.

Neilton, Yago e Tréllez marcaram os gols que levaram o Leão do 19º para o 16º lugar em Belo Horizonte.

Neilton, Yago e Tréllez marcaram os gols rubro-negros, enquanto Cazares fez o do time da casa. Com o resultado, o rubro-negro pula para 16º lugar, com 29 pontos. Logo atrás está o São Paulo, com 28, primeiro time no Z4. Na próxima rodada, o Vitória encara o Botafogo, domingo (1º), às 11h, no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro.

O jogo começou acelerado desde o primeiro toque na bola. Em um minuto, no rebote da cobrança de escanteio, Neilton jogou longe do gol. Dois minutos depois, o camisa 10 do Leão encontrou um excelente passe de Fillipe Soutto e tocou de esquerda na saída de Vitor, abrindo o placar no Independência.

Era o ingrediente que Mancini queria para aplicar, com mais eficácia, a proposta de esperar o Galo e montar o contra-ataque em velocidade.

Porém, oferecer demais a bola ao adversário tem riscos. Aos 18 minutos, Fred fez bem a proteção da bola e deu um passe genial, de calcanhar, saindo da marcação de Wallace e deixando Cazares na cara de Caíque – titular porque Fernando Miguel se lesionou no sábado. O equatoriano teve calma e empatou: 1×1.

A partida ganhou em velocidade, e o Galo tinha mais posse de bola, mas sem assustar a meta do Leão. O time de Mancini montou um paredão defensivo que conseguia conter a ânsia dos donos da casa, apesar de ter dado sinais de desconcentração na metade final do primeiro tempo.

Na volta para a etapa final, o Vitória continuou acreditando na possibilidade de deixar o Atlético atacar e surpreender no contragolpe. Até os 10 minutos, a partida continuava muito disputada, porém pobre em oportunidades de gols para ambas as equipes.

Valdívia fez boa jogada individual pela esquerda, levou até a linha de fundo e cruzou na medida para Fred. O centroavante testou com pouca força, mas forçou Caíque a espalmar, mandando a bola pela linha de fundo.

Aos 18, assim que entrou em campo, Otero recebeu a missão de fazer uma cobrança de falta. O venezuelano acertou uma pancada. A bola ainda quicou e exigiu de Caíque uma defesa complicada, espalmando para a lateral.

Cinco minutos depois o Leão se preparava para matar o jogo em Minas Gerais. Leonardo Silva falhou e deu uma cabeçada para trás. Santiago Tréllez estava ligado no lance, pegou a sobra, entrou na área e limpou a jogada para cima de Vitor. Com o drible sobre o goleiro adversário, o colombiano ficou sem ângulo, mas teve frieza para rolar a bola para trás. Neilton passou lotado e Yago, que também acompanhava a jogada, dominou e bateu com força para recolocar o rubro-negro na frente do placar: 2×1.

Aos 35, por pouco o Leão não ampliava o placar. Em uma bola recuada, Vitor quase entregou um presentão para Tréllez. Para sorte do Atlético, o atacante não conseguiu o domínio. O Galo ainda assustou em outra cobrança de falta de Otero. Caíque fez milagre. Nos acréscimos, o Leão fechou o caixão. Tréllez ganhou de Alex Silva no corpo e ficou na cara de Vitor. O colombiano parou, pensou e tocou para o fundo da rede: 3×1.

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Rodrigão marca aos 51 minutos e Bahia derrota o Grêmio na Fonte

De pênalti, centroavante fez o gol da vitória tricolor por 1×0; time sobe para 13º lugar

Jogo pegado, disputado, oportunidades perdidas e um gol no apagar das luzes. Com pênalti marcado no último minuto de jogo, o Bahia venceu o Grêmio por 1×0, na Fonte Nova, neste domingo (24). O resultado leva o Bahia para a 13ª posição na Série A.

Intensidade. Essa palavra resume bem o que foi o primeiro tempo do duelo de tricolores. O Bahia começou o jogo colocando pressão. No primeiro lance, Eduardo cruzou fechado e o goleiro Paulo Victor escorregou, caindo dentro do gol, com as bolas na mão. Para sorte dos gremistas, a bola não ultrapassou a linha.

Com velocidade, Mendoza levou perigo ao gol gaúcho, mas esbarrou na própria falta de qualidade na finalização. A melhor chance saiu aos 14 minutos, quando o colombiano conseguiu deixar Bressan para trás e mandou um chute rasteiro, mas a bola desviou no joelho de Vinícius e passou tirando tinta da trave.

O tricolor ainda chegou bem com Juninho e Edson, que obrigou Paulo Victor a fazer milagre após aproveitar cobrança de escanteio. A bola não entrava de jeito nenhum. Mérito para o goleiro gaúcho, que fechou o gol.

O Grêmio teve poucas oportunidades, mas desperdiçou um lindo chute de Arroyo e uma falta perigosa cobrada por Fernandinho, com ambas as bolas indo por cima do gol.

Mas a intensidade não era apenas no quesito bola rolando. O primeiro tempo foi marcado por muito bate-boca também. Teve discussão de Edson com o ex-Bahia Jael, Eduardo peitando Arroyo e Lucas Fonseca brigando por ter recebido cartão amarelo. Não faltou trabalho para o árbitro, que distribuiu quatro cartões amarelos no primeiro tempo (Eduardo, Lucas Fonseca, Arroyo e Michel).

No intervalo, Allione foi o escolhido para entrar na vaga de Vinícius e tentar mudar a cara do jogo. Sem sucesso. Em dia infeliz, o argentino errou passes bobos e irritou o torcedor tricolor. Segunda tentativa: colocar Edigar Junio e tirar Zé Rafael, apagado no jogo. Foi aí que o Bahia ganhou um fôlego a mais.

Além de boa chegada em velocidade de Mendoza, que foi cortado por Kannemann, o Bahia chegou com muito perigo em uma cobrança de falta venenosa de Juninho, que tentou acertar o ângulo direito de Paulo Víctor, que precisou se esticar todo e contou com a sorte para ver a bola passar por cima do gol, rente à trave.

O problema é que o Grêmio começou a gostar do jogo. Chegou bem com Everton, que além de tentar o gol armou jogada para Jael, que tocou para Patrick mandar um chutaço no travessão e assustar Jean. No rebote, Fernandinho ainda tentou, mas o goleiro tricolor caiu bem.

Quando tudo parecia perdido, um alento. Aos 48 minutos, Allione foi derrubado na área. Rodrigão partiu para a cobrança e fez o gol do triunfo. Um alívio para o torcedor que sofreu o jogo inteiro.

O próximo jogo do Bahia é novamente em casa. No próximo sábado (30), o tricolor recebe o Coritiba, às 16h, na Fonte Nova.